Seg-sex 7h - 22h | Sáb 7h - 18h (87) 2101-3099 | 99108-8860 Rua Tobias Barreto, 7 - Centro, Petrolina - PE

Radiologia

Médicos descobriram uma maneira de detectar depressão com ressonância magnética

Publicada em 09/12/2019 às 09:58

A depressão é uma doença complicada, e estamos sempre procurando novas maneiras de tratá-la ou, um dia, esperamos que um dia a previna totalmente. Atualmente, 7% de todos os adultos nos EUA sofreram pelo menos um episódio depressivo em suas vidas. 

 

Uma das coisas que torna o transtorno depressivo maior tão difícil de tratar é que há muito desconhecido sobre o que o causa e quais formas de tratamento são mais eficazes. De acordo com Kenneth Wengler, Ph.D. , pesquisador da Universidade de Columbia, “Com os tratamentos atuais, há uma grande chance de recaída ou recorrência. Para desenvolver tratamentos novos e mais eficazes, precisamos melhorar nossa compreensão do distúrbio”.

 

Um novo estudo apresentado esta semana na Conferência Anual da Sociedade Radiológica da América do Norte, a equipe de pesquisa de Wengler identificou uma nova maneira de detectar a depressão com ressonância magnética.  

Um novo tipo de ressonância magnética.

A equipe de pesquisa decidiu estudar os efeitos de um novo tipo de ressonância magnética que eles mesmos desenvolveram, um com a capacidade de medir a quantidade de água que se move através da barreira hematoencefálica. A equipe selecionou 28 participantes para realizar a ressonância magnética: 14 que foram diagnosticados com transtorno depressivo maior e 14 que não tinham controle.

 

Os resultados das varreduras do cérebro mostraram permeabilidade à água reduzida em todo o grupo com MDD, indicando um elemento-chave da barreira hematoencefálica que desempenha um papel no distúrbio.

 

Esses resultados contribuem para uma melhor compreensão geral da química cerebral do transtorno depressivo maior. Não apenas essas ressonâncias magnéticas podem ser usadas para identificar pessoas com MDD, mas essas novas descobertas levarão a mais pesquisas sobre como ajustar a química do cérebro como forma de tratamento.

 

Segundo Wengler, “este estudo ajuda a melhorar nossa compreensão da fisiopatologia da depressão e pode abrir novos caminhos de tratamento para um distúrbio que afeta mais de 100 milhões de indivíduos em todo o mundo”.

 

Com uma doença como a depressão, qualquer nova informação proveniente de estudos como esse é promissora. Quanto mais soubermos sobre causas e sintomas, mais fácil será o tratamento.

 

A saúde mental é uma parte essencial do nosso bem-estar geral e, especialmente durante as festas de fim de ano , é importante praticar o autocuidado. Se você precisar de um dia de saúde mental, não se sinta culpado por tomá-lo e incentive seus amigos e entes queridos a fazer o mesmo.

Fonte: ofala.com.br

Nos envie uma mensagem

Em breve retornaremos o contato

Agende sua consulta!